DOCUMENTÁRIOS (em inglês)

MBIRA MAESTROS

No interior do Zimbábue, Chikomborero, Prince e William tocam a tradicional mbira, como forma de louvar seus antepassados.

ZOE BAN JAY

Ao longo dos 14 anos de guerra civil na Libéria, os músicos e dançarinos do Zoe Ban Jay mantiveram viva sua arte.

SANKOFA

Depois de oito anos exilado num campo de refugiados, Kaba Yanquoi Moore retorna à Libéria, sua terra natal.

WILLIAM SIAH

No interior da Libéria, o professor William Siah relembra episódios da guerra civil e dos seus 19 anos de exílio.

DJEMBE

Wesley McCauley, percussionista liberiano, dá forma e som ao seu instrumento.

CALABASH

No campo de refugiados de Buduburam, em Gana, artistas liberianos seguem celebrando a cultura de seu país.

Entre os povos de língua Akan, na África Ocidental, um provérbio tradicional diz que “não é tabu voltar atrás e buscar o que esqueceu”. O conceito central deste ensinamento, conhecido como Sankofa (Sanko = voltar; fa = buscar, trazer), é simbolizado por um pássaro mítico com a cabeça virada para as próprias costas. Sankofa voa olhando para trás: assim não perde de vista suas origens.

 

Buscando aprender mais sobre essa e outras sabedorias, o escritor Antonio Lino pousou por dez meses na África. A viagem começou pelo sul, na Cidade do Cabo, antes de subir para a África Ocidental. No ninho de Sankofa, em Gana, o escritor passou dois meses num campo de refugiados. E então seguiu para uma temporada de sete meses na Libéria. Por fim, Marrocos e Zimbábue completaram o roteiro.

 

Inspirado pelas histórias de vida que conheceu pelo caminho, Lino produziu uma série de documentários, finalizados in loco, com o propósito de compartilhar os filmes, presencialmente, com seus protagonistas. Além do registro audiovisual, no livro Sankofa, o escritor reuniu textos sobre a sua viagem: um sobrevoo de dez meses em busca de vislumbres da vasta riqueza histórica e cultural da África.